quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

O livro de Gênesis

Título do Livro

O título “Gênesis”, que significa literalmente “começo” e vem da palavra grega “γενέσις[1]”. Esse título foi dado ao livro pela tradução grega do Velho Testamento, chamada Septuaginta[2]. O título hebraico para esse livro é retirado das primeiras palavras do livro: “berēshith” e significa “no princípio”. Esse título é certamente apropriado, pois além de demonstrar o princípio do universo, do homem e do povo de Deus, Gênesis também “prepara o terreno para a plena compreensão da fé bíblica[3]”.


O Autor do Livro[4]

Enquanto nenhuma declaração é dada sobre quem teria escrito esse livro, a tradição sempre tem dito que o autor desse livro é Moisés. Evidências para isso tem-se encontrado:

(1) No Novo Testamento normalmente atribui Gênesis a Moisés: indicação desse fato é que em Jo.7.23 Jesus afirma que a circuncisão, que é apresentada em Gn.17.12, faz parte da Lei de Moisés. Mais comum ainda no NT é a declaração do Pentateuco como livro de Moisés

Evangelhos: Mt.8.5; 19.19.4-8; Mc.1.44; 7.10; 12.19, 26; Lc.2.22; 5,14; 20.37; Jo.1.17, 45; 7.19, 22-24; 8.5;
Atos: At.3.22; 7.44; 13.39; 15.5; 28.23;
Paulo: Rm.10.5; 10.19; 1Co.9.9;
Autor de Hebreus: Hb.9.19; 10.28.
(2) No Antigo Testamento também parece atribuir a autoria do Pentateuco (Tora) a Moisés:

Livros Históricos: Js.1.7-8; 8.31-32; 1Re.2.3; 2Re.14.6; 21.8; Ed.6.18; Ne.13.1;
Profetas: Dn.9.11-13; Ml.4.4.
O próprio Pentateuco aponta para esse fato: Ex.17.14; 24.4-8; 34.27; Nm.33.1-2; Dt.31.9, 22.
(3) Além disso, o autor do Pentateuco demonstra conhecer detalhes tão particulares da história que só uma testemunha ocular 
poderia saber:

Quantidades específicas de fontes e árvores (Ex.15.27)
Detalhes específicos do povo em ocasiões específicas (Nm.2.1-31)
Detalhes da alimentação (Nm.11.7-8)
(4) O conhecimento que o autor do Pentateuco apresenta sugere ele não poderia ser alguém de séculos mais tarde[5]:

Conhecimento da Geografia (Gn.13.10; Gn.33.17)
Conhecimento de costumes específicos (Gn.16.1-3; Gn.41.41-43)
Moisés era alguém habilitado para ter essas informações (At.7.22)
Se alguém duvidar da autoria Mosaica do Pentateuco ou de Gênesis, deve atribuir também ou falsidade ou erro, tanto dos textos do Velho, como do Novo Testamento. Em outras palavras, os profetas, escritores, apóstolos e o próprio Jesus Cristo deveriam ser considerados ou falsos ou equivocados. Portanto, “a autoria de Gênesis é atribuída a Moisés, mais provavelmente durante a jornada do Egito para Canaã, com o uso de fontes que tivesse à disposição, quer orais quer escritas, debaixo do ministério orientador do Espírito de Deus[6]”.

Estrutura e Conteúdo do Livro

Uma das características marcantes do livro é a forma como esse livro foi estruturado. Do ponto de vista da história, duas categorias são claramente reconhecidas na estrutura do livro: (1) Nos capítulos de 1.1-11.26 encontramos a história das origens de modo geral e (2) de 11.27-50.26 lemos a história da origem do povo judeu – a história dos patriarcas. Sobre essa estrutura John Hartley diz: “Gênesis 1-11 é um prefácio à história da salvação, tratando da origem do mundo, da humanidade e do pecado. Gênesis 12-50 reconta as origens da história da redenção no ato de Deus escolher os patriarcas, juntamente com as promessas da terra, posteridade e aliança[7]”.

Contudo, Moisés como hábil escritor também deixou uma clara estrutura literária para seu primeiro livro: com o uso de uma palavra específica, Moisés pode marcar dez blocos de texto onde agrupou o conteúdo do seu livro. Essa palavra hebraica é “tôledôt”, que significa gerações, genealogia. Em “cada uma dessas seções [Moisés] relata o que aconteceu com à(s) pessoa(s) mencionada(s), ou seus descendente[8]”.

Normalmente essa palavra é acompanhada de uma genealogia, conquanto também possa apresentar o desenvolvimento de algo que já foi iniciado. Esse é o caso de Gn.2.4: “Esta é a história das origens dos céus e da terra, no tempo em que foram criados: Quando o SENHOR Deus fez a terra e os céus”. Nessa ocasião Moisés faz um uso metafórico da palavra “tôledôt” para expressar que os céus foram gerados (criados) pelo Próprio Deus.

É interessante observar que a estrutura história e a estrutura literária foram de tal forma ajustadas que para a primeira parte (a história primeva) Moisés usou cinco “tôledôt”, enquanto que para a segunda parte (história patriarcal) ele o fez mais cinco vezes[9]. Seguindo essa sugestão, podemos observar a estrutura do livro da seguinte forma:

I. HISTÓRIA PRIMEVA (Gn.1.1-11.26)

Criação do Universo (1.1-2.3)
As gerações do céu e da terra (2.4-4.26)
As gerações de Adão (5.1-6.8)
A geração de Noé (6.9-9.29)
As gerações dos filhos de Noé (10.1-11.26)
II.HISTÓRIA DOS PATRIARCAS (Gn.11.27-50.26)

As gerações de Terá (11.27-25.11)
As gerações de Ismael (25.12-18)
As gerações de Isaque (25.19-35-29)
As gerações de Esaú (36.1-43)
As gerações de Jacó (37.1-50.26)

É importante lembrar que um dos recursos literários que Moisés usa na composição de Gênesis é apresentar em primeiro lugar um conjunto de informações sobre personagens que terão sua história continuada no seu relato. Por exemplo, “a genealogia de Caim (4.17-24) precede a de Sete (4.25,26); as linhagens de Jafé e Cão (10.1-8) aparecem antes de Sem (10.21,22); a genealogia de Ismael (25.12-15) antecede a de Isaque (25.19) e a de Esaú (36.1-10) precede a de Jacó (37.2)[10]”.


Propósito
“O propósito do primeiro livro do Pentateuco é fornecer um breve sumário da história da revelação, desde o princípio até que os israelitas foram levados para o Egito e estavam a ponto de se tornarem em nação teocrática[11]”. De forma prática, Gênesis parece demonstrar, do início ao fim, quem é o Deus que chamou a Moisés para liderar o Povo.

É nesse texto que Moisés registra YAHWEH como o Deus que é poderoso para Criar, Julgar e Punir, Retribuir, Chamar, Restaurar e Salvar Seu povo. Gênesis é um relato da Personalidade e Caráter de YAHWEH como Deus Poderoso, Cuidadoso, Amoroso e Soberano.

De forma anacrônica Moisés parece deixar a Soberania de Deus estampada nas páginas de Gênesis, de modo que, na primeira parte de seu livro ele demonstra quão longe o homem por suas forças pode ir, enquanto que na segunda parte ele demonstra quanto Deus faz para resgatá-los. Assim, estamos falando que, após a Criação, nos primeiro 11 capítulos de Gênesis nós vemos a degradação do ser humano: Na Queda vemos a soberania de Deus e a sentença de todo ser humano; No Dilúvio a justa retribuição história de Deus; e em Babel vemos a soberania de Deus na distribuição.

Até que, em Abraão o processo de regeneração inicia e parece reverter a cena: Em Abraão vemos a soberania de Deus na Eleição; Em Isaque a soberania de Deus na Separação; Em Jacó a soberania de Deus é percebida no cuidado; e em José vemos a soberania de Deus no controle da situação.

É como se o livro tivesse sido escrito para apresentar o caráter de Deus como chefe da Teocracia que Ele irá formar a partir de um povo exilado no Egito, retirando-os soberanamente do domínio egípcio. É óbvio que Moisés faz isso, enquanto registra os acontecimentos do seu povo.

Mensagem
Poucas pessoas foram capazes de resumir a mensagem de um livro tão grande em tão poucas palavras de modo tão impressionante: Carlos Osvaldo tem sintetizado a mensagem do livro da seguinte maneira:

“A eleição e separação de Israel como povo pactual se deu em um contexto de conflito entre o propósito Benevolente do Criador e a vontade rebelde das criaturas, a quem Ele pune com justiça e restaura com amor[12]”



Teologia de Gênesis

Como temos dito que esse livro é uma Auto-Revelação de Deus para o povo de Israel, não poderíamos deixar de falar de Sua Pessoa como apresentada por ele. Sobre isso, House diz:

“Certamente tornou-se visível um retrato nítido de Deus. Ele é a única divindade que atua nesses relatos. Só Deus cria, de maneira que só Ele julga o pecado, chama, dirige e abençoa Abraão e seus descendentes, e proteje e livra em todas as circunstâncias o povo agora chamado Israel. Esse Deus comunica-se com o povo alternadamente emanando ordens, fazendo promessas e dando orientação, Ele trabalha para tirar o pecado que atribula toda a raça humana. Esse Deus não tem qualquer começo, rival, limites de tempo ou espaço, falha moral, ou interesses ocultos[13]”

Deus é Criador:

Em Gênesis não difícil falar em um Deus Criador: “No princípio criou Deus os céus e a terra”. O relato da criação em Gênesis é realizado em duas etapas para ressaltar a Pessoa do Criador: Enquanto o primeiro relato aponta para um fato (há um Criador de todas as coisas) o segundo relato mais específico sobre a criação do homem apresenta o Criador como zeloso, atencioso e relacional. Essa descrição de Deus é certamente uma demonstração do Seu poder e de Seu cuidado graciosos.

Entretanto, é válido dizer que a descrição da criação demonstra a ordem e a dignidade dela. “Enquanto outras histórias da criação tendem a tratar a raça humana como fonte de irritação para o panteão e o mundo criado como alo que os deuses não pensaram inicialmente, Gênesis 1.1-2.3 apresenta a ordem criada como resultado da atividade intencional da parte do Deus único[14]”.

A unicidade de Deus nos primeiros versos de Gênesis também são também uma descrição de contraste entre YAHWEH, o verdadeiro Deus e os deuses pagãos. Até por que, a descrição de Deus como Criador auto-existente, solitário e auto-suficiente difere gritantemente de outros relatos antigos da criação. Falando sobre a multiplicidade de deuses do paganismo, LaSor, Hubbard e Bush afirmam que “para eles a variedade de forças personificava-se em deuses. Assim, uma divindade era multipessoal, em geral ordenada e equilibrada, mas às vezes caprichosa, instável e temerária. O texto de Gênesis 1 combate tal concepcção de divindade. Ela retrata a natureza surgindo de uma simples ordem de Deus, o que é anterior a ela e dela independente[15]”.

Outro detalhe sobre a Singularidade de Deus como Criador é estampado no uso do termo hebraico bärä’, que descreve sua ação como trazendo a criação do nada (ex nihilo[16]). Em Gn.1.1 não há qualquer indicação de matéria pré-existente que Deus teria formado, antes “afirma que Deus criou, (bärä’) sem nenhum esforço, todo o universo e tudo o que nele há[17]”. Assim, “o termo hebraico bärä’, ‘criar’, é uma palavra chave, sendo empregada seis ou sete vezes no relato da criação. Essa palavra tem Deus como seu único sujeito no Antigo Testamento, e não se fez nenhuma menção do material a partir do qual se cria algum objeto. Ela descreve um modo de agir que não possui analogia humana. Só Deus cria, assim como só Deus salva[18]”

Deus é Soberano:

Sidlow Baxter quando comenta sobre Gênesis diz: “Pelo fato de ter sido colocado logo no início dos 66 livros, Gênesis nos faz dobrar os joelhos em obediência reverente diante de Deus, por exibir perante os nossos olhos, e trovejar em nossos ouvidos, aquela verdade que deve ser aprendida antes de todas as outras em nosso trato com Deus, em nossa interpretação da história e em nosso estudo da revelação divina, a saber A SOBERANIA DIVINA[19]”.

A soberania de Deus é observada em quase todos os eventos apresentados nesse livro: Ele é o Criador Soberano, o Juiz soberano sobre o pecado do homem, na punição de Caim, no Dilúvio, em Babel. Ele é o Soberano na separação e eleição de Abraão como herdeiro das promessas. Não havia qualquer característica em Abraão digna da atenção de Deus, mas em Sua Soberania Deus o separa para dele fazer uma grande nação. “O Senhor escolhe a Abrão da mesma maneira como decide criar os céus e a terra, ou seja, a partir da liberdade absoluta resultante de ele ser o Deus único, todo-suficiente e independente[20]”.

Toda a história dos patriarcas é uma demonstração da Soberania de Deus: Abraão é eleito soberanamente por Deus; Isaque é mantido soberanamente por Deus; Jacó[21], o mais relutante de todos, demonstra a Soberania de Deus na Preservação de sua Promessa feita a Abraão e em José podemos observar a Soberania de Deus no controle das situações para formar um povo Seu em meio a um tempo de crise.

Até mesmo na tensão entre a Soberana Vontade de Deus e da vontade rebelde de suas criaturas, “o que o homem pecador tenciona para o mal, YAHWEH é mais do que capaz de suplantar para Seus propósitos de bênção e bem estar para o povo de Sua aliança[22]”. A soberania de Deus é capaz de convergir a maldade do homem para bênçãos para os Seus: Esse retrato é vívido em Gênesis.

Deus é Justo:

No trato com a humanidade desde a Criação, Deus demonstra sua habilidade para exercer sua Justiça. Na retribuição justa de Gn.3 vemos que Deus é severo no trato com o pecado e na imposição das punições para cada um dos participantes da rebelião contra Ele no Éden. Entretanto, é importante lembrar que “quando Sua bondade original foi desprezada no jardim do Éden em troca da independência que as criaturas queriam Dele, foi Deus quem tomou a iniciativa de buscar o homem (3.8, 9), de prometer a vitória definitiva sobre a serpente pela semente da mulher (3.15) e remediar a nudez e a vergonha do primeiro casal[23]”. No exercício de sua Justa punição, Deus não deixou de manifestar sua Graça Salvadora: O maior prejudicado na queda foi o próprio Deus, pois Ele mesmo assume as piores conseqüências da Queda e doa-se em amor ao mundo.

Da mesma forma o dilúvio revela Sua Justa retribuição à intenção do homem em contraposição à Lei Divina. Em sua Justa Soberania, Deus estabelece o juízo da rebeldia dos homens e os sentencia à morte no Dilúvio. Entretanto, temos que lembrar que Ele mesmo ofereceu 120 anos para o arrependimento dos seres humanos em demonstração de que age com paciência. Isso sem contar que Deus havia deixado um modo para que os homens pudessem ser libertos dessa punição, pela fé na instrução que havia dado a Noé (Hb.11.7). Assim, tanto a Paciência quanto Graça são observadas no exercício da Justiça de Deus[24].

Deve ser por isso que Ralph Smith diz: “Três coisas são essenciais a um bom juiz: autoridade e soberania; decisões justas e imparciais; e a capacidade de perceber e interpretar corretamente todas as evidências. Javé tem as três qualidades[25]”. Por isso, “a justiça de YAHWEH reflete-se não tanto em declarações sobre Seu caráter quanto nos meios simples e diretos pelos quais Ele julga a falta de conformidade do homem com o padrão de conduta prescrito pelo Criador[26]”.

Deus é Gracioso:

“Pelo contrário, ele opera exclusivamente em benefício do mundo que não tem intenção alguma de fazer o que é certo. Neste caso a eleição demonstra a misericordiosa bondade de Deus com o mundo[27]”.

Por que Deus não opera sua disciplina para com Jacó, que demonstra em sua história não manter uma padrão de conduta em nada parecido com o do seu pai? “O fato mais consolador é que Deus não mudou seu propósito, promessa ou poder. O caráter divino continua intacto, acentuando a sensação que o leitor tem de respeito e expectativa diante do futuro[28]”.

“A graça divina seleciona este homem [Jacó] terrivelmente imperfeito, não por causa de mérito algum de sua parte. O amor determina a decisão, e esse amor é tão grande por Jacó quanto é por Abraão e Isaque, pois as promessas divinas feitas anteriormente permanecem de pé[29]”.

“A graça intensifica-se quando o pacto de YAHWEH com a humanidade se focaliza em Abraão e sua linhagem: Ló é preservado pela graça (19.1-31), Isaque é poupado pela graça (cap.22), Jacó é escolhido por graça (25.19-23; cf. Rm.9.11, 12), assim como toda a família patriarcal é libertada da corrupção e miscigenação em Canaã pela provisão graciosa que YAHWEH lhes faz de José como vice-regente do Egito (caps.37-50)[30]”

Deus é Único:

Em oposição ao conceito do Oriente Médio Antigo, Gênesis apresenta um Deus que é Único, “nenhuma outra divindade questiona o direito divino de criar; nenhuma outra divindade ajuda Deus a criar nem se opõe à sua atividade criadora. Desde o princípio, ou desde a origem do tempo e da história, só Deus existe ou age[31]”.

“A idéia da unicidade de Deus no Antigo Testamento é singular e significativa. Enquanto outros povos antigos achacam que seus deuses eram muitos, cada um tendo sua própria esfera de influência e responsabilidade, o Israel antigo entendia que seu Deus era um (indivisivo), como todos os atributos e poderes da divindade em si mesmo, governando todas as esferas da existência[32]”

“A singularidade de YAHWEH aparece em cores ainda mais brilhantes no fato de que Ele é um Deus que, apesar de transcendente e todo-poderoso, busca um relacionamento com Suas criaturas e a elas Se revela. Ele estabelece alianças (cf. 9.8-17; 15.9-21; 17.1-27) e garante seu cumprimento ao prover e proteger milagrosamente a semente que havia prometido (18.13-15; 22.15-18; 25.21)[33]”

domingo, 22 de janeiro de 2017

o cego que tinha Visão



E, ouvindo que era Jesus de Nazaré, começou a clamar, e a dizer: Jesus, filho de Davi, tem misericórdia de mim.
Marcos 10:47


A Bíblia nos fala de um homem por nome de Bartimeu , filho  de Timeu , que vivia mendigando por as ruas de Jerico, Bartimeu era cego , mas enxergava mais do que muitas pessoas que tem os olhos saudáveis , mas como assim Edson um cego que enxergava? SIM Bartimeu não tinha a visão física , mas ao ouvir que Jesus estava ali passou a clamar pedindo socorro ao Filho de Davi, uma multidão seguia a Jesus, mas o homem que não enxergava teve visão e viu em Jesus o Mestre capaz de transformar a sua vida.
mesmo sendo constrangido a parar de clamar , Bartimeu não ficou intimidado , pelo contrario clamava mais alto '' Filho de Davi tenha compaixão de mim '' e você o que tem feito quando as palavras contraria são direcionadas a você? tem parado ou aumentado o tom do clamor ? Bartimeu continuou a clamar e Jesus não só o ouviu mas mandou o chamar .
Ao ser chamado por Jesus largou a sua capa , esqueceu as esmolas ,deu um salto e se colocou na presença de Jesus, ao ser perguntado por o Mestre o que desejaria, aquele cego com visão, não escolheu riquezas, carro do ano, um cão guia , moletas novas , disse Senhor eu quero enxergar , e imediatamente foi curado. ao ser curado , o que ele fez ?
 voltou a mendigar? Não . Bartimeu passou a ser um seguidor de Jesus
que possamos ter visão e reconhecer que precisamos enxergar, ver que precisamos está na presença de Jesus, o segui-lo e ser um anunciador das Boas Novas 

sábado, 31 de dezembro de 2016

Veja cinco razões para passar a virada do ano na igreja:


Veja cinco razões para passar a virada do ano na igreja:

1. Você está reafirmando em comunhão (entre irmãos) e para o mundo, a fé em Nosso Senhor Jesus Cristo;

2. Você está demonstrando gratidão pela vida e provisão dadas por Deus no ano que se passou;

3. Você está expressando a Jesus Cristo que Ele é prioridade sobre a nossa vida e ano vindouro;

4. Você está refletindo sobre os erros cometidos e firmar novas condutas com o Senhor;

5. Você está clamando pela bênção de Deus para o novo ano.

Feliz 2017! Que este ano seja de muitas de muitas bênçãos e multiplicação.

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Deus é justo

Ele é a Rocha, cuja obra é perfeita, porque todos os seus caminhos justos são; Deus é a verdade, e não há nele injustiça; justo e reto é.
Deuteronômio 32:4

O Nosso Deus é justo, A Justiça faz parte dos seus atributos , Sua Justiça dura para sempre (Sl 112;3.)
Deus nunca erra a sua justiça é perfeita,ao contrario do juiz humano ele jamais proferiu uma sentença errada.ou teve uma escolha errada,ou escolheu um caminho errado , nosso Deus é perfeito 
Amados não fique aflito, triste, preocupado. se voce tem uma causa no tribunal de Cristo , Ele vai julgar a tua casa .
E Lembre-se Ele é JUSTO.

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Aprendendo com as aflições

Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.
João 16:33



Quem nunca passou por uma crise , uma grande lutas? quantas vezes você se pergunta por que toda esta adversidade.
Observando a Historia Da Igreja , podemos aprender que o momento em que a Igreja mais cresceu , foi em momento de adversidade, duras perseguições.quanto mais a Igreja era perseguida mais o Povo de Deus crescia.desde Estevão , primeiro Martir , se iniciou uma serie de mártires , Nero e os demais imperadores fizeram tantas barbaridades com os cristão , mas não vem ao caso agora .o que me chama atenção é que com a falsa conversão de Constantino , todos os problemas acabaram . O Cristianismo passou a ser religião Oficial do Império e até uma Capital passaram a ter, os templos pagãso passaram a ser Igreja , até passaram a perseguir, Aqui surge um grande problema passaram a esquecer que a Igreja era dependente de Deus e não do Estado e o pov começou a se esquecer de Deus e já sabemos no que deu.
Não se engane com as facilidades que o estado abre nos dia de hoje para a Igreja , não é diferente é sempre um jogo de interesse, e a Igreja de Cristo deve depender só de Cristo.não lutamos para ser a religião oficial de uma nação , Já temos um Reino , e este Reino é CELESTIAL,
Jesus nos alertou que teríamos aflições e são estas aflições que nos da ''quilometragem''  para enfrentar as lutas subsequentes.Devemos ter a certeza que Deus etá conosco ter bom animo e confiar no Deus que nos chamou 

terça-feira, 13 de setembro de 2016

O SENHOR é o nosso Juiz,legislador,Nosso Rei, Ele nos salvará.

Porque o SENHOR é o nosso Juiz; o SENHOR é o nosso legislador; o SENHOR é o nosso rei, ele nos salvará. Isaías 33;22

Passamos por um momento de duvidas e incertezas em vários setores de nosso país, o judiciário, o legislativo e o executivo , em muitas vezes não alcança o exito que esperamos , mas ao abrimos as escrituras podemos observar que no reino celestial , temos um UM SENHOR , que além de ser Senhor é o nosso Juiz,o nosso Legislador o nosso Rei e tem uma promessa que Ele vai nos Salvar 
Vamos por parte entender o que significa cada função

O Profetas relata que o Senhor é o nosso juiz.O juiz tem a função de julgar a causa, ele tem a palavra final , e a nossa causa não está nas mãos de um juiz falho e injusto, as nossas causas está na mão do juiz RETO e FIEL. meu querido irmão não se preocupe Ele julgará a nossas causas.
Em Segundo o profeta relata que Ele é o nosso legislador. Como legislador ele cria as leis e nos mostra o caminho que devemos seguir ,suas leis são boas ,e segui-las é um privilegio
A lei de Deus( Sagradas Escrituras) é um tesouro precioso que podemos encontrar nas nossas vidas. Quando nós baseamos a nossa existência na Bíblia, somos verdadeiramente bem sucedidos , diante de Deus e dos  homem e pessoas felizes.
Deus se revela a nós através da Sua Lei (bíblia Sagrada). Com a ajuda da Bíblia, podemos diferenciar o certo do errado, e aprender a viver de maneira que agrada a Deus.
A tua palavra é lâmpada

que ilumina os meus passos

e luz que clareia o meu caminho. 
Salmos 119:105

o Senhor é o nosso Rei, como Rei ele deve Reinar na nossa vidas, o Monarca lidera seu povo, crias situações para suprir sua nação, resolver os problemas etc. Deus é o nosso Rei, Ele com a sua autoridade Criou ,governa e sustenta todo o universo. Ele é o nosso Reis , o Senhor dos Exércitos Vive e Reina 
Abram-se, ó portais; abram-se, ó portas antigas, para que o Rei da glória entre.
Quem é esse Rei da glória? O Senhor dos Exércitos; ele é o Rei da glória
Salmos 24:9,10
e para fechar este post , eu quero vos lembrar da promessa que Ele nos fez e que fecha o versículo que tomamos por base ''Ele nos Salvará ''. Existe uma promessa para nos e ninguém pode impedi-la de acontece . O Senhor Jesus irá nos salvar . o nosso Rei, Legislador, juiz e Senhor irá no Salvar .
 E isto digo, conhecendo o tempo, que já é hora de despertarmos do sono; porque a nossa salvação está agora mais perto de nós do que quando aceitamos a fé.Romanos 13;11
fique a vontade para copiar o texto, usar como esboço, que Deus te abençoe e te guarde. 
Graça e Paz 


domingo, 17 de julho de 2016

Deus quer te perdoar

Naquele dia o Senhor tornará a estender a sua mão para adquirir outra vez e resto do seu povo, que for deixado, da Assíria, do Egito, de Patros, da Etiópia, de Elão, de Sinar, de Hamate, e das ilhas de mar. Isaías: 11. 11. 

No versículo 11 do cap 11 do livro que leva  nome do profeta Isaías , Deus diz que tornaria a estender a mão, ele diz ao povo que estava lhes dando uma segunda chance. Ele já havia os resgatado da escravidão uma vez, e o faria de novo, por meio da sua misericórdia. Isso quer dizer , que se você uma vez foi resgatado pelo Senhor, mas voltou à prática do pecado, Deus pode te dar uma segunda chance, basta apenas você querer. Deus está disposto a te aceitar de volta .

Todo pecador que se arrepende, o Senhor é fiel e justo para lhe perdoar (I Jo 1:9). Não tenha medo de pedir uma segunda chance a Deus, não dê ouvidos ao inimigo que lhe diz que dessa vez Deus não irá lhe perdoar, Ele sempre perdoa àqueles que se arrependem.
Enquanto houver oportunidades, haverá possibilidade de acertar; Deus tem sempre uma nova chance pra te dar.

Deixe Deus escrever uma nova historia para tua vida . 


domingo, 5 de junho de 2016

POR QUE MEMORIZAR AS ESCRITURAS SAGRADAS?


Você já deve ter ouvido de muitas pessoas que é importante memorizarem versículos da Bíblia, muitos dizem que devemos fazer isso para usarmos como escape na hora em que as tentações baterem em nossa porta, para alcançar um nível de intimidade maior com Deus e muitas outras coisas.  Baseado nisto e no vídeo acima separamos uma lista com várias razões para você guardar a Palavra do Senhor em sua mente.

 1. Memorizar as escrituras torna a meditação possível: Precisamos guardar a Palavra em nossas mentes para que em ocasiões onde não temos como ler a bíblia, por exemplo, meditar na palavra com o que já temos guardado. E a meditação é o caminho para um entendimento profundo da palavra. Então, se você vai meditar na lei do Senhor de dia e de noite (Sl. 1:2), se faz necessária a memorização de um pouco das escrituras em sua mente.

 2. Memorizar as escrituras fortalece a minha fé, pois a fé vem pelo ouvir, e ouvir a palavra de Deus (Rm. 10:17). E isso acontece quando estou ouvindo a Palavra em minha mente.

 3. Memorizar as escrituras molda o jeito com que eu vejo o mundo, conformando a minha mente de acordo com o ponto de vista de Deus em tudo.

4. Memorizar as escrituras torna a palavra de Deus mais acessível para vencer as tentações do pecado, pois admoestações e as promessas de Deus são o caminho pelo qual vencemos as mentiras enganadoras do diabo.

5. Memorizar as escrituras protege a minha mente, fazendo com que seja mais fácil, para eu detectar erros. E o mundo está cheio de erros, pois “o deus deste mundo”(o diabo) é um mentiroso.

 6. Memorizar as escrituras me capacita de golpear satanás na face com uma força que ele não pode resistir, para proteger a mim mesmo e a minha família de seus ataques.
 7. Memorizar as escrituras fornece a fonte para um relacionamento com Jesus, pois Ele fala conosco através de sua Palavra e em nenhum outro lugar, De uma forma doce, poderosa, autêntica e real, então nós o respondemos em oração, e se a palavra dEle estiver em nossa mente poderemos conversar com Ele em qualquer lugar

terça-feira, 24 de maio de 2016

A Escola dos Bichos

Conta-se que vários bichos decidiram fundar uma  escola. Para isso reuniram-se e começaram a escolher  as disciplinas.  O Pássaro insistiu para que houvesse aulas de vôo. O  Esquilo achou que a subida perpendicular em árvores era fundamental. E o Coelho queria de qualquer jeito que a corrida fosse incluída. E assim foi feito, incluíram tudo, mas… cometeram  um grande erro. Insistiram para que todos os bichos praticassem  todos os cursos oferecidos.  O Coelho foi magnífico na corrida, ninguém corria  como ele. Mas queriam ensiná-lo a voar. Colocaram-no numa árvore e disseram: “Voa Coelho”. Ele saltou lá  de cima e “pluft”… coitadinho! Quebrou as pernas. O  Coelho não aprendeu a voar e acabou sem poder correr  também. O Pássaro voava como nenhum outro, mas o obrigaram a cavar buracos como uma toupeira. Quebrou o bico e as  asas, e depois não conseguia voar tão bem, e nem mais  cavar buracos.

MORAL. 

Todos nós somos diferentes uns dos outros e cada um tem uma ou mais qualidades próprias. Não podemos exigir ou forçar para que as outras pessoas sejam parecidas conosco ou tenham nossas qualidades. Se assim agirmos, acabaremos fazendo com que elas sofram, e no final, elas poderão não ser o que queríamos que fossem e ainda pior, elas poderão não mais fazer o que faziam bem feitos, então ame seu cônjuge como ele é e respeite suas ‘diferenças’. Ef. 5:28-33.
IV.Renúncia– “O que quereis que os homens vos façam, façais vós primeiro”. Mt. 7:12.
¬ O egoísmo é fatal para o matrimônio, por isso o cônjuge precisa: amar, dar, sofrer, suportar… I Co. 13:4-8. A felicidade só é completa quando cada cônjuge busca o melhor para o outro, pois é o prêmio para os abnegados.
V. Boa Comunicação – Para se comunicar é necessário ter um entendimento emocional, mental e físico das diferenças entre um homem e uma mulher. As mulheres, por exemplo, costumam se comunicar com mais riqueza de detalhes, os homens são mais objetivos. As mulheres são mais emocionais, os homens mais racionais. “Confessai as vossas culpas uns aos outros...” Tg. 5:16.


Segredos para um Casamento Duradouro:



 “Encontrar uma esposa é encontrar a felicidade, é obter um favor de Deus” Pv. 18:22.

I.  Companheirismo – “Não é bom que o homem esteja só” Gn. 2:18.

¬ A triste solidão experimentada pelo homem é resolvida pela companhia da mulher sempre que essa mulher haja sido pessoalmente dada por Deus…

II. Ajuda Mútua – “Far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea” Gn. 2:18.

b. A expressão “auxiliadora idônea” traz a ideia de um ser que tem a capacidade de prestar o auxílio necessário e que está num nível de igualdade por ser equivalente ao homem…

III. Adaptação dos Cônjuges – “Vós Mulheres....” “Vós Maridos....” Cl. 3:18,19, 23, 24.

¬ Só há um principio de respeito mútuo na vida familiar quando, ambos os cônjuges aceitam-se como são, entendendo que são diferentes, e essas diferenças precisam ser respeitadas.


Deus abençoe vocês!
Pr. Jair Pontes

Principios Batistas: O Espírito Santo


O Espírito Santo é a presença ativa de Deus no mundo e, particularmente, na experiência humana. É Deus revelando sua pessoa e vontade ao homem. O Espírito, portanto, é a voz da autoridade divina. É o Espírito de Cristo, e sua autoridade é a vontade de Cristo. Visto que as Escrituras são produto de homens que, inspirados pelo Espírito, falaram por Deus, a verdade da Bíblia expressa a vontade do Espírito, compreendida pela iluminação do mesmo. Ele convence os homens do pecado, da justiça e do juízo, tornando, assim, efetiva a salvação individual, através da obra salvadora de Cristo. Ele habita no coração do crente, como advogado perante Deus e intérprete para o homem. Ele atrai o fiel para a fé e a obediência e, assim, produz na sua vida os frutos da santidade e do amor.
O Espírito procura alcançar vontade e propósito divinos entre os homens. Ele dá aos cristãos poder e autoridade para o trabalho do reino e santifica e preserva os redimidos, para o louvor de Cristo; exige uma submissão livre e dinâmica à autoridade de Cristo, e uma obediência criativa e fiel à palavra de Deus.
O Espírito Santo é o próprio Deus revelando sua pessoa e vontade aos homens. Ele, portanto, interpreta e confirma a voz da autoridade divina.

Você é mais que Vencedor


Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé.
1 João 5:4

Quem já passou por uma grande fúria do inimigo sabe muito bem os que estas palavras de João significam , existem algumas situações que parecem que todos nos abandonaram , olhamos para o lado e percebemos que as pessoas que deveriam está do nosso lado nos abandonou, nossas forças parecem está se esgotando, é nesta situação que colocamos a nossa fé em pratica e podemos contemplar o Grande livramento do nosso Deus todo poderoso.

Por maior que seja nosso adversário, por mais forte que venha à tempestade, não se desespere, Deus é o nosso abrigo, Ele é o socorro bem presente na hora da angustia. Deus nos da vitoria sobre as adversidade e nos alivia no momento da dor . Em um momento muito especial, Jesus disse Para os seus discípulos: ’Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei’’ (Mateus 11:28). Sabe o que isso significa? Que ao entregar nossas dificuldades nas mãos de Deus, Ele nos dará a segurança do que necessitamos. Aquilo que não conseguiremos com as nossas forças, Deus Pode. Pare de sofrer, Procure Hoje mesmo está na presença de Deus, deixe esta sobrecarga e Viva uma vida na presença do Todo Poderoso

Clame a Deus, não se entregue as lutas, Deus renova tuas forças, Ele te anima, Ele te ama, Le Cuida de Você, Ele nos prometeu que estaria conosco todos os dias, Para quem Crer tudo é possível.
Para concluir eu quero trazer a nossa memória o que está escrito em PV. 3.5:

‘’Confia no Senhor de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio entendimento. ’’
Confia em Deus tenha Fé. Em Cristo somos mais do que vencedores

terça-feira, 17 de maio de 2016

Onde estão os mortos?


Muitas pessoas, perguntam, onde estão os mortos? O que acontece  após a morte?

 Fazendo alguns estudos e pesquisando sobre o 
assunto me despertou o interesse a  postar sobre o tema. E esclarecer um pouco sobre estas questões.

Nos tempos do Antigo Testamento, Paraíso e Hades ficavam na mesma região; eram separados por um abismo intransponível, podemos observar esta situação na parábola do Rico e Lazaro , contada por  Jesus (Lc 16.19-31).

Quando Jesus morreu, desceu em espírito a essa região e transportou de lá os salvos.
Por isso diz:Subindo ao alto, levou cativo o cativeiro,e deu dons aos homens.
Efésios 4:8

Quanto aos ímpios, permanecem numa espécie de ante-sala do Inferno final, o Hades, que não deixa de ser “um inferno”, um lugar de tormentos (Lc 16.23).
E no inferno, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão, e Lázaro no seu seio.
Lucas 16:23

Os que morreram em Cristo, portanto, estão no Paraíso, uma ante-sala do lugar de gozo pleno (Lc 23.43; 2 Co 12.1-4).

 Trata-se de um lugar onde os salvos se encontram na condição espírito+alma, isto é, o “homem interior” (2 Co 4.16).
No caso desses mortos em Cristo, o seu “homem interior” encontra-se em um estado intermediário, aguardando o Arrebatamento da Igreja. Naquele grande Dia, os salvos, que aguardam no Paraíso, se unirão aos seus corpos, na terra (1 Ts 4.16,17). E, na condição espírito+alma+corpo, ingressarão no Céu final, definitivo. e passarão a eternidade na gloria .

Apesar de os mortos em Cristo se encontrarem na presença de Deus, ainda não foram transformados. Isso só acontecerá na ressurreição (1 Co 15.51).

Considerando que, de acordo com Eclesiastes 12.7, “... o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu”, todas as pessoas, sem distinção, salvas ou perdidas, ficam sob o controle de Deus (Mt 10.28). Quanto aos ímpios, vão para o Hades (gr. hades e hb. sheol), um lugar de tormentos (Ef 4.8-10; Sl 139.8; Pv 15.24).

Para concluir eu queria deixar para reflexão o texto de
E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno.

E você Para onde vai querer passar a eternidade após a morte ?